Reflexão teórica sobre o filme “O Ponto de Mutação”

Escrevi uma dissertação sobre o filme “O Ponto de Mutação” como um dos trabalhos de final de curso da disciplina “Práticas Escolares, Diversidade, Subjetividade”.
Ei-lo.

O filme “O Ponto de Mutação” traz à tona um tema de extrema importância para a humanidade: a necessidade de uma nova visão de mundo, diante de uma crise de percepção do mundo atual. Traz reflexão sobre as bases da nossa existência e da integração entre o pensamento e as ações humanas no contexto do desenvolvimento, na busca de um progresso equilibrado e sustentável.

Inicialmente, os comentários dos três personagens sobre diversos assuntos – política, ecologia, tecnologia e futuro da humanidade – nos conduz ao século XVII, fazendo-nos refletir sobre o pensamento cartesiano, que enxerga o mundo como uma máquina e que, para entender o todo, basta desmontá-lo e estudar suas partes isoladamente (metáfora do relógio). Na época, esse pensamento tomou conta da ciência, da arte e da política. Mas enquanto a ciência avança, deixando para trás esse pensamento, a política – e consequentemente a educação – ainda permanece nessa visão mecanicista difundida por Descartes e reforçada pelas leis de Newton.

Enxergar somente as partes, e não o todo, é um equívoco. Pensar que se pode compreender o mundo estudando suas partes isoladamente nos fez chegar a uma crise de percepção do mundo. Essa crise fez com que a humanidade passasse a pensar em seus problemas isolados e não conseguir perceber que fazem parte de um todo: o universo. Embora seja imprescindível conhecer as partes, é preciso que o mundo seja pensado como processos e não como estruturas. É necessário ter uma visão sistêmica do mundo, centrada nas conexões entre as partes do todo. Não se deve olhar para os problemas globais tentando solucioná-los separadamente. Devemos entender as conexões entre eles para depois resolver os problemas.

No mundo moderno, as pessoas se acostumaram a receber conhecimento e informação prontos, no conforto de seus lares e em suas nacionalidades, e pouco pensam que todas as criações e descobertas feitas pelo homem devem ser moldadas, revistas; que somos todos parte de uma imensa teia de relações; que é nossa responsabilidade perceber e prever as possibilidades do futuro; que, antes de tudo, somos os únicos responsáveis por nossos atos e pelos reflexos dos mesmos no universo no qual estamos inseridos.

Se faz necessário uma nova visão de mundo, uma mudança de paradigma, um pensamento que veja o mundo como um todo e, antes de fracioná-lo, entenda sua conexão, sua interatividade, sua integração, sua unidade, seu caráter cíclico, sua continuidade, sua renovação.

Essa nova maneira de ver o mundo tem implicações na educação.

Precisamos pensar com maior relevância a mediação do conhecimento diante de todas as descobertas que nos são impostas e que modificam nosso modo de agir na sociedade, que é parte de uma nação, que é parte de um continente, e tudo está interligado a um sistema maior, que é a humanidade.

A visão sistêmica deve ser integrada à educação. Passamos anos na escola recebendo conhecimento fragmentado em matérias, mas não somos treinados para sermos capazes de reunir esse conhecimento, analisá-lo e chegar a conclusões a respeito desses conceitos. É necessário que as redes de ensino hajam de forma interdisciplinar, sendo trabalhadas como uma teia ligada a diferentes disciplinas, a fim de estudar um fenômeno. Por exemplo, tratar um problema como o da poluição de um córrego e desenvolver os conhecimentos – matemáticos, a língua portuguesa, a história, a geografia, os diversos conteúdos de ciência, as atividades de artes – com o objetivo de levar aos alunos a consciência das causas da poluição; a conhecer a história da ocupação daquele local pelo ser humano; a buscar o conhecimento de todos os agentes sociais envolvidos no problema e suas responsabilidades sociais e éticas; a avaliar as consequências para a saúde das pessoas e para o meio ambiente; a procurar caminhos sociais e políticos para a resolução do problema e para a melhoria da qualidade de vida etc[1].

Aderir a um novo paradigma na forma de pensar os conhecimentos (mostrando a inter-relação entre as disciplinas, por exemplo) é o caminho para compreender o mundo de forma correta. Somente dessa maneira é que conseguiremos entender e solucionar os problemas do mundo atual e viver uma vida saudável e plena.

______________________________________________________________

[1] Exemplo retirado de ARAÚJO, U.F.; PUIG, J.M.; ARANTES, V.A. (Org).Educação e valores: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2007, p. 39.

About these ads

6 Responses to “Reflexão teórica sobre o filme “O Ponto de Mutação””


  1. 1 Fabio 29/06/2010 às 09:20

    O livro do Capra é mais legal.

  2. 2 Roger 29/06/2010 às 10:24

    Ah, imagino que seja mesmo.

  3. 3 Claudia 26/09/2010 às 19:44

    Oi parceiro!
    Volte aqui qualquer dia desses…
    Qualquer diazinho de descuido!

    beijin

  4. 4 Rene Hernande Lopes 01/05/2013 às 12:19

    Rogério. bom dia.

    Não nos conhecemos mas vi no google uma análise tua sobre o ponto de mutação. É de ótima qualidade. E pelo que vi depois no resto do blog a qualidade do produto produzido por teu cérebro é excelente.
    Parabéns.

    Sinceramente, achar algo de qualidade na nuvem net está cada vez mais difícil e portanto devemos partir das boas perguntas para encontrar boas respostas (o que parece meio obvio se entendermos que, por exemplo, é isso que o google faz, não é? …rs)

    René Hernande Lopes.

  5. 5 raquel paiva 16/07/2013 às 00:00

    amei!!!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: